A importância da música na educação infantil

A música está diluída nos processos de construção e transformação social. Por meio dos registros e documentos históricos, é possível perceber que ela esteve presente nas organizações e ritos culturais de várias civilizações.Assim sendo, a música acompanha o desenvolvimento das próprias relações interpessoais, seja presente como parte das expressões artísticas ou como conhecimento erudito.Mas afinal, como a abordagem musical na educação infantil pode influenciar os resultados de aprendizagem?

Música e educação

Devido à sua importância sociocultural, a música se torna relevante, também, na construção da aprendizagem. Segundo a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional “o ensino da arte, especialmente em suas expressões regionais, constituirá componente obrigatório nos diversos níveis da educação básica, de forma a promover o desenvolvimento cultural dos alunos”.

O Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil (RCNEI), publicado em 1998 pelo Ministério daEducação (MEC), também foi importante para reforçar a presença da prática musical na escola.Nele são abordadas orientações pedagógicas para a educação infantil utilizando a música como meio para desenvolver as habilidades de interpretação, improvisação e composição dos alunos. Contudo, ainda que existam leis e referenciais específicos para a temática, o estudo da música ainda é visto com menos importância nas escolas, quando comparado às “matérias tradicionais” de ensino.

Muitas vezes, as instituições não comportam o estudo formal da música, como parte da carga horária obrigatória. As aulas são, geralmente, ministradas em programas extracurriculares.Na educação infantil, as dinâmicas que envolvem música estão mais presentes no cotidiano das aulas. Atividades que incluem brincadeiras e cantigas, além de músicas especificas para a execução de uma tarefa (como lavar as mãos e organizar os materiais), facilitam a interação entre os alunos e o processo de memorização.Entretanto, não se pode pensar que a introdução da música nesses espaços deve limitar-se a tais objetivos.

É preciso pensar na educação musical como um facilitador para estimular o aluno a descobrir o mundo com outros olhos, provocando suas capacidades de expressão e interpretação.De acordo com o RCNEI, essas duas abordagens estão inseridas nas ações do “fazer musical” e da “apreciação musical”. Para que os alunos consigam desenvolver suas habilidades e a interação social, é necessário que os professores trabalhem com dinâmicas objetivas e funcionais para aquele grupo de alunos.Portanto, cabe ao professor abordar o conteúdo musical de forma mais humanizada, auxiliando os alunos a experimentar, improvisar, inventar e integrar, sempre que possível, o conteúdo musical aos demais.

Atividades musicais

É importante deixar claro que o estudo da música na escola não tem o objetivo de formar músicos, mas de estimular a criatividade.Conheça algumas atividades que podem ser exercidas durante as aulas e contribuem para estimular os alunos:Explore o corpo como instrumento musical. Trabalhe com sequências de palmas para exercitar a memória e o raciocínio rápido.Crie atividades multidisciplinares. Peça aos alunos para quicarem uma

bola de forma alternada e construa variações de ritmos. Isso inclui noções de tempo musical nas atividades físicas e

motoras.Construa objetos sonoros. Use latas vazias para fazer “chocalhos”. Você pode utilizar diferentes grãos para

criar diferentes sons e trabalhar as noções de grave, médio e agudo com os alunos.Saia da sala. Leve os estudantes para outros ambientes e os convide a ouvir os diferentes sons. Um passeio externo com a atenção consciente voltada para o sentido da audição fará com que os alunos tenham uma percepção de mundo diferente.Lembre-se: é importante que você também dê liberdade para que os alunos criem ritmos diversificados e sugestões. A música deve ser utilizada para estimular os alunos, e não apenas condicioná-los a um exercício rígido.

A música liberta

Na Grécia antiga, a música já estava inserida no conceito expresso de um homem livre e o estudo musical era associado à inteligência. A busca pela “educação plena”, entendida como o desenvolvimento da mente (música) e do corpo (ginástica e os esportes), revelava a valorização de uma educação equilibrada.Nesse sentido, o estudo musical contribui com o desenvolvimento dos sentidos cognitivos, do senso critico e estético, além de melhorar o sentido lógico e motor das crianças.Assim, inserir a música nas atividades escolares é oferecer à criança a oportunidade de ter uma educação livre e interpretativa.