Magé RJ / UCAMPROMINAS – Universidade Candido Mendes

A Universidade Candido Mendes e o Instituto Prominas chegaram a Cidade de Magé  – RJ, com cursos de Pós Graduação – Lato Sensu, Aperfeiçoamento, Extensão, Qualificação e Capacitação. Agora você não precisa mais sair de sua cidade para estudar sua Especialização.

Conheça um pouco mais da Cidade de Magé – Rio de Janeiro.

Magé é um município da Baixada Fluminense, situado na Região Metropolitana do Rio de Janeiro. Seu ponto turístico mais famoso é a 1ª Estrada de Ferro do Brasil, construída em 1854 por Irineu Evangelista de Souza, o Barão de Mauá. Hoje a 1° Ferrovia do Brasil está completamente abandonada.

Fica ao norte da capital do estado, distando desta cerca de 50 quilômetros. Localiza-se a 22º39’10” de latitude sul e 43º02’26” de longitude oeste, a uma altitude de cinco metros. Ocupa uma área de 385,7 quilômetros quadrados. Sua população, em 2017, foi estimada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística em 237.420 habitantes, sendo, assim, o 11º município mais populoso do estado do Rio de Janeiro. O Arco Metropolitano do Rio de Janeiro (BR-493 Trechos Rio-Magé e Magé-Manilha que ainda não está duplicada e portanto estando em pista simples) é o principal meio de acesso à cidade.

Foi fundada em 9 de junho de 1565 com o nome de Magepemirim que depois foi abreviada para Magé. Em 2019 Magé fez 454 anos sendo a segunda cidade mais antiga do Estado do Rio de Janeiro atrás apenas da capital.

Por volta do ano 1000, os índios tapuias que habitavam a região foram expulsos para o interior do continente devido à chegada de povos tupis procedentes da Amazônia. Quando os primeiros colonizadores portugueses chegaram à região, no século XVI, a mesma era ocupada pela tribo tupi dos tupinambás, também conhecidos como tamoios.

O atual município tem origem no povoado de Magepemirim, fundado em 1566 por colonos portugueses. Possuía um dos principais portos da região, onde muitos navios negreiros descarregavam os escravos. Em 1696, foi criada a freguesia de Magé. Em 1789, Magé foi convertida em vila pelo Vice-Rei do Brasil, Dom Luís de Vasconcelos e Sousa. A vila foi elevada a cidade em 1857. Durante a monarquia, foi criado o baronato de Magé em 1810. Este foi elevado a viscondado em 1811.

Macuco RJ / UCAMPROMINAS – Universidade Candido Mendes

A Universidade Candido Mendes e o Instituto Prominas chegaram a Cidade de Macuco – RJ, com cursos de Pós Graduação – Lato Sensu, Aperfeiçoamento, Extensão, Qualificação e Capacitação. Agora você não precisa mais sair de sua cidade para estudar sua Especialização.

Conheça um pouco mais da Cidade de Macuco – Rio de Janeiro.

Macuco é um município brasileiro do estado do Rio de Janeiro. Localiza-se a uma latitude 21º59’02” sul e a uma longitude 42º15’10” oeste, estando a uma altitude de 266 metros. Segundo estimativas do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), sua população era de 5 530 habitantes em 2014. É o município fluminense com a menor população. Possui uma área de 77,6 km².

O desenvolvimento Macuco deve-se, principalmente ao Barão de Nova Friburgo; responsável pela execução da malha ferroviária para escoar a produção cafeeira de suas fazendas e região para a cidade do Rio de Janeiro – então capital do Império- em meados de 1860. Bernardo Clemente Pinto, cantagalense, adicionou ramais a primitiva ferrovia, prosperando o povoado de Macuco. O povoamento teve origem nos arredores fazenda Cordeiro graças aos fluxos de colonização que se dirigiram para a localidade de Macuco e, também, de Cordeiro.

Subordinado ao município de Cantagalo, o então distrito de Cordeiro consegue sua autonomia municipal em 1943. O distrito de Macuco deixa de pertencer a Cantagalo e passa a ser incorporado territorialmente ao novo município de Cordeiro.

O antigo distrito do município de Cordeiro, Macuco, foi emancipado, após plebiscito realizado entre a população local, no dia 28 de dezembro de 1995 em ato solene realizado no Palácio do Ingá (Palácio Nilo Peçanha)[2], em Niterói, pela Lei n°2497, sancionada pelo Governador Marcello Alencar. Em 1997, foi instalado o município de Macuco, antigo segundo distrito de Cordeiro, como resultante de sua primeira eleição municipal, em 1996, na qual concorreram José Carlos Boaretto (PDT) e Maurício Bittencourt Papelbaum (PPB), este último tendo vencido as duas primeiras eleições, administrou o novo município por dois mandatos, até 2004.

O ex-prefeito Rogério Bianchini (PMDB) cumpriu dois mandatos (2005 – 2012), após ter sido vice-prefeito nos dois mandatos anteriores. Nas eleições de 2012 foi eleito Félix Lengruber (PMDB), que assumiu a gestão da cidade de 2013 a 2016. No pleito de 2016, o candidato Bruno Boaretto (PHS) venceu com ampla vantagem e assumiu a prefeitura da cidade em 2017. Boaretto é sobrinho de José Carlos Boaretto, um dos maiores idealizadores da emancipação do município.

A principal atividade econômica de Macuco é a pecuária leiteira, e no município encontra-se instalada a Cooperativa Regional Agro-Pecuária de Macuco, segunda maior processadora de leite do estado.

Desde 2005, Macuco abriga também uma unidade da CCA Laticínios, fabricante de leite de cabra em pó.

Laje do Muriaé RJ / UCAMPROMINAS – Universidade Candido Mendes

A Universidade Candido Mendes e o Instituto Prominas chegaram a Cidade de Laje do Muriaé – RJ, com cursos de Pós Graduação – Lato Sensu, Aperfeiçoamento, Extensão, Qualificação e Capacitação. Agora você não precisa mais sair de sua cidade para estudar sua Especialização.

Conheça um pouco mais da Cidade de Laje de Muriaé – Rio de Janeiro

O nome do município é uma referência a uma grande pedra existente no Rio Muriaé, em torno da qual se teria originado a cidade.

Até o século XIX, a região era habitada pelos índios puris. Por volta de 1832, três homens de origem portuguesa (José Ferreira César, José Bastos Pinto e José Garcia Pereira) chegaram à região, vindos de Muriaé, iniciando a colonização de origem portuguesa da região. Em 16 de abril de 1889, no período final da monarquia brasileira, a cidade promoveu uma conferência republicana com a presença de Nilo Peçanha. A conferência foi atacada por forças monarquistas, no episódio que ficou conhecido como “as garrafadas de Laje do Muriaé”.

Em 1962 Laje do Muriaé emancipou-se do município de Itaperuna. Localiza-se a 172 metros de altitude, contando com uma população de 7 491 habitantes.