Mendes RJ / UCAMPROMINAS – Universidade Candido Mendes

A Universidade Candido Mendes e o Instituto Prominas chegaram a Cidade de Mendes  – RJ, com cursos de Pós Graduação – Lato Sensu, Aperfeiçoamento, Extensão, Qualificação e Capacitação. Agora você não precisa mais sair de sua cidade para estudar sua Especialização.

Conheça um pouco mais da Cidade de Mendes – Rio de Janeiro.

Mendes é um município brasileiro do estado do Rio de Janeiro, Região Sudeste do país. Sua população estimada em 2018 era de 18 578 habitantes.[1] Localiza-se a uma latitude 22º31’36” sul e a uma longitude 43º43’58” oeste, estando a uma altitude de 446 metros.

A cidade de Mendes tem origem em um simples rancho para pouso de tropas, erguido às margens do “Caminho Novo do Tinguá”, num atalho que ligava a aldeia de Valença com a cidade do Rio de Janeiro. O pequeno aglomerado, de temperatura agradável e solo fértil, começou lentamente a se desenvolver graças à constante circulação de tropeiros.

Suas primeiras e rústicas construções foram levantadas por volta de 1820, ainda na fase inicial do ciclo do café. A cidade teve, originalmente, características de núcleo de apoio às atividades rurais. Segundo a tradição, a ocupação das terras teve início com a Fazenda Santa Cruz, de propriedade do Barão de Santa Cruz, transferida para a família Mendes.O Arraial dos Mendes tem seu primeiro registro em 1847 e a partir daí a vila cresceu e, por volta de 1850, passou a ser conhecida por Santa Cruz dos Mendes. A partir daí, desenvolveu-se na região o cultivo do café. A versão tradicional de que Mendes tenha sido fundada em terras da Fazenda Santa Cruz, pertencente ao Barão do mesmo nome não encontra respaldo histórico, porque o 2º Barão de Santa Cruz, Bartholomeu Torquato de Souza e Silva era um pernambucano, tendo sido promotor em Pau D’Alho até por volta de 1865, e que adquiriu seu título em Portugal em 1870. Veio, portanto, a residir em Mendes muito depois da vila ter sido formada, mantendo negócios na capital, inclusive tendo sido concessionário de uma rede de bondes junto com o coronel Julio Braga. Não existe registro histórico de nenhuma Fazenda Santa Cruz, de propriedade de alguma família Mendes, mas somente da antiga Imperial Fazenda de Santa Cruz, tomada dos jesuítas pela Coroa, cujas terras foram distribuídas em Sesmaria. Já o 1º barão de Santa Cruz ganhou seu título das mãos de D. Luis, em Portugal em 1806, mas dele, Antonio Vicente Peixoto de Mendonça e Costa, não se tem notícia de ter alguma vez vindo ao Brasil, quanto mais a comprar fazendas. Outro nobre com título semelhante foi o Principe estrangeiro D. Augusto Carlos Eugênio Napoleão,duque de Leuchtenberg, genro e cunhado de D. Pedro, que dele ganhou o título de Duque de Santa Cruz, e que nunca possuiu nenhuma propriedade no Vale do Paraíba Fluminense. Dessa forma, dentre os três detentores de título de nobreza sob a alcunha de Santa Cruz, dois nunca vieram ao Brasil, e o outro só se estabeleceu no município já quase no fim da economia cafeeira na região e, mais de meio século após o surgimento das primeiras habitações, portanto, não pode ser considerado fundador ou pioneiro do município.

Centro da cidade

O grande crescimento da lavoura cafeeira provocou a vinda da ferrovia para a região. Em 1864, foi inaugurada a estação da Estrada de Ferro D. Pedro II. Às margens dessa ferrovia foram sendo construídas as seguintes estações: Mendes, Humberto Antunes, Martins Costa, Nery Ferreira e Morsing.

Em 1889, lá se instalou a companhia de papel Itacolomy, iniciando a fase industrial do município, onde depois surgiriam outras fábricas, como a cervejaria Teutônia, a fábrica de fósforos Serra do Mar, o Frigorífico Angloe outras. No entanto, é com a inauguração da iluminação elétrica, ocorrida em 12 de outubro de 1912, que o município demonstra um potencial para o desenvolvimento. Desta forma, a região vivenciou duas fases distintas de desenvolvimento: a primeira ligada ao cultivo do café, no século XIX, e a segunda, no século XX, com a implantação das indústrias.

Mendes já foi parte de Piraí, Vassouras e Barra do Piraí mas, graças ao seu grande crescimento econômico, conseguiu emancipação em 1952, por força da Lei n.º 1.559, de 11 de julho daquele ano, e foi definitivamente instalado em 11 de janeiro de 1953.

A cidade situa-se após a escarpa da Serra do Mar, na borda do Planalto Fluminense.

Promoção Estendida – Até 30/08/2012

Pós Graduação – Educação do Campo – Especialização – EAD – Parte 2 Educação do Campo na UFRRJ

A Universidade Candido Mendes / Convênio Prominas, recebe de braços abertos todos os formandos do Curso LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO DO CAMPO, e ainda a TODOS aqueles de diversas áreas que veem a necessidade de capacitação em uma área tão importante da educação Brasileira.

Nós oferecemos a você o Curso de Pós Graduação (Especialização – Lato Sensu) em Educação do Campo, em modalidade Semi Presencial e A Distancia (EAD), com duração mínima de 6 meses e máxima de 18 meses, reconhecida pelo MEC, no valor de 18x R$115,00 (O menor preço do mercado).

Abaixo, a 2° reportagem de uma série de 4 reportagens sobre este tão precioso assunto.

Licenciatura em Educação do Campo na UFRRJ (PARTE 2)

 A Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro está implantando, em 2010, o Curso de Licenciatura em Educação do Campo, visando formar 60 jovens e adultos dos Projetos de Assentamento da Reforma Agrária criados pelo INCRA/RJ para atuação nas escolas do campo. Os profissionais formados atuarão nos anos finais do Ensino Fundamental e no Ensino Médio das escolas do campo, estando capacitados para a atuação em duas grandes áreas de conhecimento: 1- Ciências Sociais e Humanidades 2 – Agroecologia e Segurança Alimentar. O curso é o resultado da parceria da UFRRJ com o INCRA/RJ e tem sua duração prevista para três anos.

Considerando as demandas específicas dos grupos étnicos no que diz respeito às políticas educacionais e de desenvolvimento rural, o Curso de Licenciatura em Educação do Campo abriu dez novas vagas para Indígenas e Quilombolas. Para além da reserva de vagas, a inserção de quilombolas e indígenas no curso implicará um conjunto de conteúdos e metodologias de ensino voltados para os debates em torno das especificidades destes grupos étnicos, no que constituirá a primeira experiência de formação de professores quilombolas e indígenas no estado do Rio de Janeiro.

O Curso de Licenciatura em Educação do Campo operará segundo a Pedagogia da Alternância, na qual o processo de ensino-aprendizado se dá através do itinerário casa-escola-casa, alternando momentos no ambiente escolar (“tempo-escola”) e momentos no ambiente familiar e comunitário (“tempo-comunidade”).